Revista Graphprint - Edição 184

Revista Graphprint - Edição 184

GRAPHPRINT Mar/Abr 2018 40 Panorama Setor florestal fecha 2017 com superávit de US$7,5 bilhões O SEGMENTO DE PAPEL ENCERROU 2017 COM SALDO POSITIVO DE 0,7%, SOMANDO 5,5 MILHÕES DE TONELADAS COMERCIALIZADOS. PAPEL CARTÃO (+4,2%) E TISSUE (+4,1%) FORAM OS PRINCIPAIS RESPONSÁVEIS PELO DESEMPENHO PRODUÇÃO DE CELULOSE ATINGIU MAIOR VOLUME JÁ REGISTRADO NO PERÍODO DE UM ANO NO BRASIL O encerramento do ano de 2017 foi posi- tivo para a indústria de base florestal, que registrou um avanço de 12,9% no saldo da balança comercial do setor, quando com- parado com o ano anterior, alcançando o valor de US$7,5bilhões. As exportações puxaram essa alta, com aumento de 14,0% para celulose, o que representa US$6,4 bilhões em receita; variação positiva de 2,2% para papel, resultado financeiro de US$1,9 bilhão; e crescimento de 15,6% para painéis de madeira, atingindo núme- ros finais de US$289 milhões. Em termos de representatividade, as exportações do setor produtivo de árvores plantadas foram responsáveis por 3,9% de todo o volume de bens e produtos negociados pelo Brasil com outros países. O ano de 2017 foi de avanço nas negocia- ções com o mercado externo em todos os segmentos da indústria. Celulose registrou aumento de 2,3%, na comparação com o ano anterior, atingindo 13,2 milhões de toneladas; os painéis de madeira se desta- caram e avançaram 21,1%, alcançando 1,3 milhão de m³; por fim, o papel demons- trou crescimento de 0,5%, com um total de 2,1 milhões de toneladas. A China se manteve como principal com- pradora da celulose brasileira durante todo o ano de 2017, aumentando seu consumo em 18,7% com relação ao ano anterior, chegando a US$2,6 bilhões investidos na commodity. Na sequência está a Europa, que aumentou em 7,5% a importação da celulose brasileira, alcançando US$2 bilhões. Já a América Latina se mante- ve à frente das demais regiões do mundo quando o assunto é destino de painéis de madeira e papel. Para os painéis, a região representou 52,2% de todo o volume exportado pelo país, o que representou US$151 milhões, avanço de 11% em re- lação a 2016. Vale mencionar o avanço da Ásia/Oceania neste segmento, que aumen- tou em 74,1%. Já em papéis, o crescimen- to foi de 10,7%, que soma US$1,3bilhão, na América Latina. O ano de 2017 também foi de variação positiva para a produção no setor de ce- lulose, que avançou 3,8%. Destaque para os 19,5 milhões de toneladas produzidos, o maior volume já registrado no período de um ano. Papel, por sua vez, com 10,5 milhões de toneladas produzidos, teve alta de 1,4%, em comparação com 2016. O segmento de papel encerrou 2017 com saldo positivo de 0,7%, somando 5,5 mi- lhões de toneladas comercializados. Papel cartão (+4,2%) e tissue (+4,1%) foram os principais responsáveis pelo desempenho.

RkJQdWJsaXNoZXIy MTY1MzM=